header Chamonix
Europa, França

1 dia em Chamonix: conhecendo Mont Blanc e os Alpes Franceses

Era época de inverno na Europa quando meus pais vieram passar férias em Londres. Eu e meu irmão queríamos levar eles pra conhecer um lugar com neve de verdade. Acho que a maioria dos brasileiros tem essa vontade de ver muita neve, né? Em Londres até neva de vez em quando, mas é uma neve meio molhada, que cai e logo derrete. Então como já estávamos de viagem marcada pra Genebra na Suíça, escolhemos incluir também a famosa cidadezinha montanhosa Chamonix Mont-Blanc, mais conhecida somente como Chamonix.

1 dia em Chamonix
Chamonix

Eu estava super animada, pois não somente meu pais, mas eu também ia ver neve de verdade pela primeira vez na vida! Ia ser a minha primeira viagem para uma estação de esqui, onde o cenário de fundo seriam as montanhas cobertas de neve.

Antes da viagem eu pedi pra minha amiga Thaís umas roupas de esqui emprestadas, porque eu estava com medo de não dar conta de aguentar o frio. Foi uma ótima ideia porque realmente pegamos temperaturas negativas, mas foi uma viagem inesquecível!

Nesse artigo você vai encontrar:
1. Sobre Chamonix
2. Como cheguei em Chamonix?
3. Pontos de interesse
4. Hospedagem em Chamonix

1. Sobre Chamonix

Chamonix é uma cidadezinha localizada no distrito da Alta-Sabóia (Haute-Savoie) na região Auvérnia-Ródano-Alpes (Auvergne-Rhône-Alpes) no centro-leste da França. Com uma população de aproximadamente 9000 habitantes, Chamonix é conhecida por ser um dos destinos de inverno mais famosos e luxuosos do mundo. Ela se encontra em uma região de montanhas e geleiras que abrange 3 países: França, Itália e Suíça.

Muitos de vocês já devem ter ouvido falar em Chamonix por vários motivos. Um deles é por aqui ser um dos resorts de esqui mais populares e antigos dos Alpes Franceses. O outro, é que foi aqui que aconteceu a primeira Olimpíadas de Inverno do mundo, em 1924. E por fim, porque Chamonix fica aos pés da montanha Mont Blanc, aquela da marca de canetas de luxo.

Centro de Chamonix
Centro de Chamonix em um dia de inverno.

Mas não é só por causa das canetas de luxo que essa montanha é famosa. Mont Blanc é a maior montanha da Europa Ocidental. Isso significa que essa é a maior montanha a oeste da Rússia, com 4.810 metros de altitude. Desde o ano de 2000, o Maciço do Mont Blanc faz parte da Lista Provisória da UNESCO por sua importância tanto natural quanto cultural, porque foi aqui que alguns esportes de montanha, principalmente o montanhismo, teria se originado.

Por esses motivos, essa região é muito frequentada por pessoas que gostam de praticar esportes de inverno e outras atividades ao ar livre como trilhas e escaladas. O fato é que Chamonix, apesar de pequena, é tão linda e tem tanta coisa pra fazer que acaba recebendo mais de 5 milhões de visitante todos os anos.

2. Como Cheguei Em Chamonix?

Nossa viagem foi em janeiro, durante a alta temporada de esqui em Chamonix que vai de novembro à maio. Eu e minha família pegamos um avião de Londres até o Aeroporto de Genebra (GVA) na Suíça. Pra falar a verdade, esse é o aeroporto mais próximo de Chamonix.

Passamos 2 dias conhecendo Genebra, depois disso alugamos um carro e continuamos nossa viagem até Chamonix. São aproximadamente 80km de distância entre as duas cidades pela autoestrada Autoroute Blanche (A40), o que fizemos mais ou menos em 1 hora.

Como a gente viajou pra dois países numa mesma viagem, eu chamo isso ‘dobradinha’. Nem sei se esse termo existe, aliás existe, mas posso dizer que a única dobradinha que eu conheço e gosto, é essa.

A viagem de carro foi bem em conta porque estávamos em 4 pessoas, então dividimos todos os custos com aluguel de carro, gasolina e etc. A única coisa que eu não posso comentar é sobre a paisagem da viagem de carro, pois como viajamos à noite, eu não vi muita coisa do caminho. Tudo que eu mais queria era chegar logo e aproveitar um pouquinho a noite da cidade.

igreja de Saint Michel
Decorações de natal em Chamonix e a igreja de Saint Michel ao fundo.

3. Pontos De Interesse

Centro De Chamonix (Chamonix Centre-Ville)

Já era tarde da noite quando chegamos de viagem. A primeira coisa que a gente fez foi procurar o hotel pra fazer o check-in e deixar as malas. Depois fomos visitar o centrinho da cidade pra ver o que estava pegando. Por ser bem tarde, não tinha muita gente na rua e as lojas já estavam todas fechadas, mas estava tudo tão bonitinho ainda decorado com as luzes de natal.

Passamos em frente a Igreja Saint-Michel (Église Saint-Michel) e por algumas ruas de pedestres do centro. Passamos também em frente à estátua de Michel-Gabriel Paccard, um doutor e alpinista nascido em Chamonix, considerado um dos primeiros a escalar o Mont Blanc até o topo, em agosto de 1786.

Em seguida fomos procurar algum restaurante legal pra jantar. A sorte foi que conseguimos encontrar um restaurante super fofo que ainda estava aberto, pena que não anotei o nome. Esse que fomos era todo de madeira, super aconchegante por dentro. A comida estava simplesmente perfeita pra um dia que foi cansativo e congelante. Mas o que eu mais gostei mesmo foi da sobremesa. O primeiro e o melhor panna cotta que já comi na minha vida!

Na manhã seguinte, depois do café da manhã no hotel, voltamos para o centrinho de Chamonix pra conferir como era o movimento das ruas durante o dia. Se de noite eu já tinha me encantado, de dia então eu me apaixonei de vez por Chamonix. Parece que eu estava dentro de um daqueles globinhos de neve que a gente chacoalha e a neve vai caindo devagar.

Tinha muita gente passeando e cada um com uns looks mais diferente que o outro. Por falar nisso, uma coisa que não falta aqui são lojas de equipamentos para esportes e roupas de inverno. Mas eu nem olhei o preço de nada, passei direto nas vitrines. Eu não precisei comprar nada, porque como eu já havia dito antes, peguei roupas emprestadas com a Thaís. Já essa jaqueta branca de esquiar que estou usando nas fotos, eu paguei bem baratinho em uma promoção na loja TkMaxx em Londres.

Centro de Chamonix
Um dos acessos ao centro de Chamonix.

Ferroviária De Montenvers (Chemin De Fer Du Montenvers)

Depois do passeio pelo centro, fomos conferir uma das principais atrações turísticas de Chamonix, o Mar de Gelo. Pra chegar até lá pegamos um trenzinho da estação Gare du Montenvers em Chamonix, a 1035 metros de altitude, com destino à Montenvers, a 1913 metros de altitude.

Essa ferrovia foi construída entre os anos de 1907 à 1909, são aproximadamente 5 km por uma trilha encantadora passando por túneis, pontes e viadutos. A vista panorâmica da janela é incrível, vimos Chamonix ficando cada vez mais longe, escondida embaixo neve, enquanto íamos nos aproximando do topo das montanhas.

Pelo que eu vi no site oficial, hoje em dia o bilhete de ida e volta custa entorno de 35 euros com direito à visita ao Mar de Gelo e a Caverna de Gelo. Eu falo um pouco mais desses dois lugares logo abaixo.

Mar De Gelo (Mer De Glace)

Ao nos aproximarmos da estação de Montenvers, já conseguíamos ver através da janela os cumes de várias montanhas, sendo uma delas a face norte da magnífica montanha Grandes Jorasses.

Eu desci do trem e fiquei alguns minutos completamente paralisada diante do que meus olhos viam. Por entre as montanhas, um verdadeiro mar congelado, e tão branco que chegava ofuscar os olhos. A névoa branca que cobria esse mar, junto ao silêncio que pairava sobre o ar, era como se eu tivesse desembarcado em outro mundo.

Montenvers - 1 dia em Chamonix
Que espetáculo esse nevoeiro em Montenvers.

Com aproximadamente 7 km de comprimento, o Mer de Glace é a maior geleira da França. Ela foi descoberta em 1741 por dois ingleses, porque até então os moradores dessa região acreditavam que esse local era habitado por demônios (fonte).

Eu tentei encontrar a melhor foto que tirei do Mar de Gelo mas mesmo assim não dá pra ter uma noção exata da grandiosidade desse lugar. Pra ter uma escala da dimensão repare na pessoa de jaqueta vermelha quase no final das escadas.

Mar de Gelo - 1 dia em Chamonix
Mar de Gelo, detalhe para as escadarias que levam até a Caverna de Gelo.

Da estação de trem pegamos um pequeno teleférico até uma plataforma com saída para uma escadaria construída no entorno de uma das montanhas. Essa escadaria é uma descida pra chegar até a Caverna de Gelo, uma outra atração turística no local.

Apesar de tamanha beleza envolvendo esse lugar existe um fato muito triste. Devido ao aquecimento global o nível da geleira está cada vez ficando mais baixo. Desde o inicio do século 20 o gelo está encolhendo, mas esse processo tem se acelerado ainda mais nas últimas décadas. Nesse caminho encontramos placas indicando quais eram os níveis da geleira ao final de cada década.

Quanto mais vamos descendo os degraus, mais vamos tendo uma noção do tanto que a geleira que já derreteu. Infelizmente, ela já perdeu mais de um terço de todo seu volume. Dá uma tristeza profunda pensar que se não fizermos alguma coisa para evitar o aquecimento global, uma maravilha como essa pode desaparecer do mapa. 🙁

Mar de Gelo, Chamonix
Mar de Gelo, placa que mostra qual era o nível da geleira no ano de 1990.

Caverna De Gelo (Grotte De Glace)

São um total de 480 degraus de descida pela escadaria, passando pelo Mar de Gelo para chegar até o destino final desse passeio que é a Caverna de Gelo. Essa caverna, que se encontra dentro da geleira, é na verdade o único museu glaciar da França.

Isso tudo teve início no ano de 1992, quando dois amigos guias de montanha entraram na gruta e começaram a esculpir o gelo. Com o passar dos anos, diversos artistas foram convidados pra criarem suas artes no gelo dentro da caverna. Cada ano que passa, essa coleção de obras no gelo aumenta ainda mais. Lá dentro tem também uma exposição que retrata a vida das pessoas que moravam nas montanhas no início do século 19.

A experiência de visitar uma caverna de gelo é algo bem excêntrico. Digamos que o que passou na minha cabeça antes de eu entrar, era que seria um lugar tão gelado quanto um congelador. Porém pra minha surpresa, a temperatura dentro da caverna estava bem mais agradável do que a temperatura lá de fora.

Teleférico L’Aiguille Du Midi (Téléphérique De L’Aiguille Du Midi)

Depois desse passeio, pegamos o trem de Montenvers de volta para o centro de Chamonix, almoçamos e fomos conferir um dos principais pontos turísticos. O lugar que aliás dá nome a cidade, o Mont Blanc. Pra chegar até lá, é preciso pegar o teleférico em L’Aiguille du Midi. A tradução desse nome é algo como A Agulha do Meio-Dia.

Na época em que foi construído era considerado o teleférico mais alto do mundo, e continua sendo o teleférico mais alto da França. Ele sai de Chamonix a uma altitude de 1030m de altura e sobe quase 3km, até chegar no pico Aiguille Du Midi a uma altitude de 3.842m de altitude. Isso é o mais alto e o mais próximo que conseguimos chegar do cume do Mont Blanc sem precisar de fazer caminhada ou escalada.

Porém infelizmente, nessa nossa viagem pra Chamonix os ventos no topo da montanha estavam muito fortes, por esse motivo eles fecharam o teleférico por precaução. Fiquei só mesmo com a foto (desfocada) da entrada para o teleférico. Eu imagino que a vista lá de cima deve ser incrível, uma dessas que a gente tem de ver pelo menos um vez na vida. Chamonix me deixou um convite pra voltar!

Teleférico L'Aiguille Du Midi - 1 dia em Chamonix
O teleférico L’Aiguille du Midi estava fechado por conta do mal tempo nas montanhas.

Teleférico De Brevent (Téléphérique Du Brévent)

Logo em seguida fomos tentar um outro teleférico, o de Brévent. Primeiro você pega uma gôndola até Plan Praz a 2000m de altitude, onde tem ponto de observação e também de onde saem algumas trilhas para locais de interesse na região, como o Lago Cornu.

Depois você pode pegar o teleférico até Le Brévent a 2525m de altitude, onde tem uma bela vista para o Mont Blanc, local pra comer, de onde também é possível fazer uma caminhada até Aiguillette des Houches. Agora pergunta se a gente subiu no teleférico? Não, também não subimos! Logo mais abaixo eu explico o motivo disso.

Uma curiosidade que descobri visitando esse teleférico é que logo na entrada tem um painel com todas as pistas da região. Cada pista é indicada por uma cor que significa o nível de dificuldade daquela pista, por exemplo: se a pista é para iniciantes, intermediários ou avançados. Outra coisa interessante é que cada pista tem uma luz acesa no painel: verde significa que a pista está aberta enquanto vermelha significa que a pista está fechada. Bem informativo!

Parque De Diversões Domaine Des Planards

Já que não tínhamos conseguido subir em nenhum dos teleféricos de Chamonix pra ver o Mont Blanc, surgiu uma ideia doida na nossa cabeça: “E se a gente fosse esquiar?” Meu pai topou logo de primeira. Lá fomos procurar um lugar pra esquiar.

Fomos parar em um parque de diversões que durante os meses de inverno, de dezembro a abril, tem pista para iniciantes aprenderem a esquiar. Decidimos ficar por ali perto mesmo onde meu pai e meu irmão alugaram equipamentos de esqui. Digamos que eles eram um dos poucos adultos aprendendo a esquiar no meio da criançada. E não, eu não estou exagerando.

Enquanto eu e minha mãe paramos em um restaurante de frente pra pistinha onde eles foram esquiar pra tomar um chocolate quente e assistir aos tombos do meu pai. Era cada tombo engraçado mas até que depois de rolar muito na neve eles pegaram o jeito. Acho que todos nós voltamos a ser crianças.

4. Hospedagem Em Chamonix

Hotel L’Arveyron

Aqui no blog vocês sabem que só indico quando o lugar é bom mesmo e eu gosto muito. Nesse caso não poderíamos ter escolhido um chalezinho mais aconchegante, quentinho e com uma vista tão bonitinha quanto à do Hotel L’Arveyron, que agora mudou o nome para L’Arveyron Open House mas eu acredito que continua sendo o mesmo hotel. Pelo menos as fotos são iguaizinhas.

O hotel fica um pouquinho mais afastado do centro, ideal pra quem está de carro. Os quartos são todos de madeira, com cortinas de xadrez parece coisa de filme. Ao abrir as cortinas pela manhã fiquei encantada com a paisagem, as instalações do hotel, o café da manhã que eles servem, o atendimento impecável, a localização. Enfim tudo bem simples mas mesmo assim tudo nota 10.

Chamonix tem um lugarzinho especial no meu coração, sempre vou lembrar de lá com muito carinho. Sabe aqueles lugares que você chega e já se apaixona no mesmo instante? Foi muito especial passar 1 dia em Chamonix curtindo a família de um jeito tão divertido. Espero poder viajar com eles outras vezes e poder ter outro momentos como esses.

Porém, com certeza um dia foi muito pouco para visitar tudo que Chamonix tem a oferecer. Com certeza eu ficaria pelo menos uns 4 dias pra explorar tudo em volta. Se você estiver pensando em um destino pra uma viagem de inverno inesquecível, sem dúvida melhor que Chamonix não fica. 😉

Veja todos os posts da França no Mais Um Destino.

Vai passar mais do que um dia em Chamonix? Reserve seu hotel no booking.com usando o link do blog. Além de oferecer segurança e acomodações incríveis, você ainda me ajuda a manter o Mais Um Destino no ar sem pagar nada por isso! Muito obrigada. 🙂

Curtiu? Compartilhe.

2 comentários em “198 BOOKS”

  1. Nádia esse POST sobre Chamonix na França ficou muito bom e foi fantástico rever toda essa viagem!! É um lugar especial por muitos motivos, mas o melhor é que vai ter montanhas de gelo o ano inteiro pra ver e aproveitar!! Vocês fizeram dessa viagem um sonho realizado!!

    1. Eu fiquei muito feliz quando estava escrevendo esse post pois essa viagem foi inesquecível. A gente se divertiu tanto, e tudo em Chamonix é tão lindo. Incrivel imaginar que tem pessoas moram em uma cidade assim.

Deixe seu comentário