Ásia, Singapura

Singapura

Cheguei em Singapura doida pra dar um mergulho naquela piscina infinita maravilhosa do Hotel Marina Bay Sands, me imaginei #rycah bebendo um cocktail em um dos terraços mais badalados e fotografados do mundo. Aí me lembrei que estava fazendo um mochilão na Ásia e que no orçamento não estava incluso uma diária de umas 300 libras! Mas mochileiro também viaja pra Singapura, e por quê não? Peguei o metrô no aeroporto, que por sinal é um metro bem limpinho organizadinho e rapidinho, e segui para onde ficaria hospedada pelos próximos 4 dias: Little India (Pequena Índia) hahahah, foi o que o dinheiro deu. E olha que ainda dividimos o quarto com outras 4 pessoas e alguns bed bugs. Quando se viaja para um dos países mais caros do mundo as vezes pode dar nisso. Chega de conversa fiada e vamos ao que interessa: o país>capital>cidade de Singapura.

Singapura é uma das 3 cidades-capitais do mundo, sendo Mônaco e Vaticano as outras duas. É considerado um dos países mais ricos e caros do mundo, apesar de ser relativamente novo, tendo conquistado sua independência em 1959. Se desenvolveu rapidamente devido alguns fatores como sua localização geográfica e sua abertura para o investimento estrangeiro. Muito difícil de acreditar que há pouco tempo atrás era só uma vila de pescadores em uma mata fechada. Sua população é formada principalmente por chineses, malaios e indianos. Pessoas de diferentes partes desse mundo, com suas repectivas religiões e culturas, todas vivendo pacificamente no mesmo espaço.

Peguei um avião de Phuket para Singapura, já que eu precisava renovar meu visto pra Tailândia e a passagem para Singapura era a mais em conta que tinha comparada à outros países do Sudeste Asiático. Se não fosse por esse motivo, teríamos ido à Singapura por terra, descendo pela Malásia. Depois de 2 meses viajando pela Ásia entre inúmeros templos, incontáveis viagens de ônibus e estradas de terra, chegar aqui foi como ter voltado à civilização. A sensação era de estar novamente na Europa. Em 4 dias consegui ver bastante coisa e mesmo assim ainda ficou faltando outras tantas legais pra ver. Mas acredito que 3 dias sejam suficientes para ver os pontos principais.

Geralmente as pessoas visitam Singapura só de passagem, quando estão fazendo conexão entre um país e outro. Ou então quando estão viajando da Europa pra Ásia/Oceania ou vice-versa. Acaba que ninguém passa muito tempo aqui, mas vale muito a pena incluir no roteiro caso você esteja por essas bandas. Olha quanta coisa legal tem pra ver aqui:

MARINA BAY SANDS

O hotel é lindo de cair o queixo, a estrutura é majestosa e cada canto diferente que você olha ele consegue ficar ainda mais lindo. Possui 55 andares e 2561 quartos, e conta também com diversas atrações como teatros, lojas, museus, casino, um centro de convenções pra mais de 45 mil pessoas e lá no alto conectando as 3 torres fica o Sky Park onde se encontra uma das piscinas infinitas mais fantásticas do mundo, bares e restaurantes com linda vista da cidade. O Spectra é o maior show de luzes e água do Sudeste Asiático e acontece todas as noites. Fiquei sentada ali pertinho do Merlion pra assistir o show e gostei bastante da vista de lá. Pra saber mais sobre o resort ou sobre os horários dos shows veja a programação no site oficial do evento.

ESTÁTUA DO MERLION

O Merlion é o símbolo de Singapura, uma criatura metade leão e metade peixe, a estátua se encontra no Parque Merlion, com vista para Marina Bay Sands. O nome é uma combinação das palavras “mer” que significa mar,  sua metade peixe representa a origem de Singapura, uma vila de pescadores. E a palavra “lion” representa o nome original da cidade – Singapura – que significa “cidade do leão”, um nome um pouco controverso já que é bem improvável que um leão tenha vivido nessa área.

CHINA TOWN

Eu adoro visitar a China Town em qualquer canto desse mundo. É um bairro sempre muito colorido, cheio de gente de tudo quanto é lugar, muita opção de comida, aroma de todos os tipos e muitas bugigangas (adoro!). É nesse bairro que você encontra um dos templos chineses mais lindos de Singapura, o Buddha Tooth Relic Temple.

BUDDHA TOOTH RELIC TEMPLE

Traduzido ao pé da letra como Templo da Relíquia do Dente de Buda, esse nome foi dado justamente porque alguns budistas acreditam ter recuperado um dente canino de Buda em uma funerária de Kushinagar, na Índia. Fica localizado na região da Chinatown e além de templo budista ali se encontra um museu, uma casa de chá e um teatro. Construído em 2007, os seus 5 andares são ricamente decorados com história, arte e cultura do budismo. Eu fiquei encantada com o lugar e suas incontáveis esculturas por todos os cantos. Inclua no seu roteiro pois é simplesmente imperdível.

TEMPLO THIAN HOCK KENG

Adorei visitar esse templo. A começar pelo seu lindo nome, que literalmente significa “Palácio da Felicidade Celestial”. Dedicado à Mazu, deusa chinesa do mar, onde marinheiros e imigrantes vinham para agradecer a viagem através do Mar da China. Hoje as pessoas vêm até esse templo para rezar por paz, saúde e proteção. Todo colorido e rico em detalhes, eu diria que é uma jóia perdida no meio da cidade.

GARDENS BY THE BAY

Praticamente uma parada obrigatória pra quem vai à Singapura, o “Jardins da Baía” é uma enorme área verde moderna e projetada, cheia de atrações diferentes que você não encontra parecido em lugar nenhum do mundo, e não paga nada pra entrar. Faz parte de uma estratégia do governo em transformar Singapura de “Cidade Jardim” para “Cidade em um Jardim”. Com certeza você já deve ter visto fotos por aí do Supertree Grove, que são estruturas em formato de árvore. Esse jardim vertical além de captar energia solar para sua iluminação (à noite ficam ainda mais lindas) também coletam água da chuva para irrigação utilizada no jardim. Pra saber todas as atrações que você encontra pelo jardim, confira o site oficial.

GARDENS BY THE BAY – FLOWER DOME

O Flower Dome, ou “Cúpula das Flores”, é uma atração paga do Gardens by the Bay. Com um clima do Mediterrâneo, aqui você encontrará plantas exóticas do mundo todo. Os jardins estão lindamentes expostos, incluindo oliveiras milenares e baobás. Outro motivo pelo qual decidi visitar foi pela arquitetura do lugar, eu sou apaixonada por lugares cheios de vidro que permitem a entrada da luz do dia, e essa estufa está no livro dos recordes como a maior do mundo.

GARDENS BY THE BAY – CLOUD FLOREST

Traduzindo ao pé da letra, a “Floresta na Nuvem” também é uma atração paga, mas que vale cada centavo por motivos de ser a cachoeira artificial coberta mais alta do mundo com seus 35m de comprimento. O clima dentro desse conservatório é mais tropical, e nesse ambiente húmido e nebuloso, encontra-se uma grande variedade de plantas desde samambaias à orquídeas. Um caminho bem bacana te leva até o topo da cachoeira e a vista lá de cima vale a pena a subida.

ORCHARD ROAD

Considerada a Champs-Élysées do Oriente, a Orchard Road é uma rua que se estende por 2.2 km e é famosa por suas lojas de grife e inúmeros shopping centers. Difícil de imaginar que há menos de 150 anos atrás havia ali uma grande plantação de noz-moscada e fazenda de pimentas. Eu adorei a visita, apesar de não ter ido ali pra comprar nada, mas o passeio foi bem proveitoso, é como se a cada 10 metros tivesse um shopping diferente (e grande) pra bater perna. Levando em consideração o calor que fazia em Dezembro, entrar no shopping pra dar uma refrescada e olhar as vitrines é um programão que eu como uma boa paulista adoro fazer.

BOAT QUAY

Em 1860, essa era a parte mais movimentada do porto de Singapura. As construções daquela época foram cuidadosamente conservadas, hoje o cais histórico abriga uma variedade de bares, pubs e restaurantes. Ou seja, um ótimo lugar para dar uma desacelerada e beber uma cervejinha! Boat Quay também é o nome da rua ao longo do cais, só para pedrestes.

CLARKE QUAY

Outro cais histórico, fotogênico e cheio de atrações. No começo era uma humilde aldeia de pescadores, rapidamente se desenvolveu em um importante porto comercial no final do século 19, à medida que o comércio entre o Oriente e Ocidente aumentava. Hoje em dia é um mix de moderno com tradicional. Colorido e cheio de gente durante o dia, animado e iluminado durante a noite, é um ótimo lugar pra jantar fora, ouvir música ao vivo ou para curtir uma baladinha.

TEMPLO SRI VEERAMAKALIAMMAN

Sempre quando passo por um templo hindu eu fico com muita vontade de entrar. Adoro as cores, o aroma dos incensos, as imagens e num geral eu simplesmente me emociono muito com qualquer demonstração de fé. Decidi visitar esse templo por ser um dos mais antigos em Singapura e por ficar bem pertinho de onde estava hospedada. Esse templo foi construído por alguns dos primeiros imigrantes indianos por terem uma necessidade de se sentirem seguros em uma nova terra. Por esse motivo é dedicado à poderosa deusa hindu Kali, Destruídora do Mal.

MESQUITA SULTAN

Já de cara a arquitetura dessa mesquita me chamou atenção: grande, imponente e cheia de detalhes. O salão principal de oração tem capacidade para aproximadamente 5000 pessoas. E uma boa notícia pra quem tiver com tempo sobrando: não-muçulmanos estão autorizados a visitar a mesquita por dentro. Fica no distrito de Kampong Glam, conhecido por ser uma área mais muçulmana da cidade.

CATEDRAL DE SANTO ANDRÉ

Já falei de um templo budista, de um templo hindu, de uma mesquita e agora chegou a vez de falar de uma catedral anglicana que visitei em Singapura. Com mais de 150 anos, essa é a maior catedral do país. A construção do prédio da igreja foi financiada por comerciantes escoceses, por isso levou o nome do santo padroeiro da Escócia.

FOOD COURTS – PRAÇAS DE ALIMENTAÇÃO

São conhecidas também como Hawker Centres, aqui você vai comer bem e o mais importante: barato! Não é novidade que sou mochileira e estou sempre procurando os lugares mais baratos pra comer, achei a comida aqui em Singapura bem cara. Mas nos Hawker Centres a variedade de comida típica é enorme e apesar dos preços em conta a qualidade da comida também é muito boa. Existem centenas de opções de Food Courts por toda a cidade, com certeza você vai se deparar com uma e quando isso acontecer, não tenha medo de se jogar e provar tudo. Um fato que vale a pena mencionar: pra você ter uma ideia, em 2016, 2 barraquinhas de comida foram premiadas com uma estrela Michelin, ou seja, uma classificação que o restaurante é muito bom e serve comida de alto padrão. Quer saber mais? Leia aqui o artigo (em português).

HAJI LANE

Fica pertinho da Mesquita Sultan, então dá pra conhecer no mesmo dia. Esse “beco” não está no roteiro de todos os turistas que vem pra Singapura e esse foi o motivo que me fez querer visitá-lo. Aqui você encontra umas lojinhas super alternativas, restaurante e barzinhos com decorações bem originais, varios grafites lindos (perfeito pra quem, assim como eu, ama tirar foto!)

CASA COLORIDA DE TAN TENG NIAH

Se você estiver explorando a area da Little India, não deixe de passar pela casinha colorida mais alegre do bairro. A casa foi construída no começo de 1900 por um empresário chinês do ramo de confeitaria para morar com a sua esposa. Esse é o último exemplo de uma vila chinesa no bairro que hoje é predominantemente ocupado pela comunidade indiana, responsáveis por pintarem a casa nessas cores vibrantes.

O que eu mais gosto em poder visitar um país como esse é andar pela cidade, sem tem que seguir mapa ou placas, sem me preocupar se vou me perder ou se vou acabar me enfiando em becos estranhos (já fiz isso algumas vezes por aí). Pra todo lugar que você olha tem um prédio legal, uma vista bacana e algo pra descobrir. Foi assim quando passei por um acaso em frente do luxuoso Hotel Fullerton, haviam umas 100 ferraris estacionadas pra todo lado. Cada uma de uma cor diferente. De onde saiu tanta Ferrari e por quê? “Não sei! Só sei que foi assim.”

Fui embora de Singapura com vontade de ter ficado mais tempo para absorver um pouco mais da atmosfera do lugar e o dia-a-dia dos residentes. Gostamos tanto desse país que cogitamos a idéia de morar aqui, tudo muito parece ser tão moderno, seguro, desenvolvido e limpo. Notei que bastante gente praticava esporte nos parques ou corria pela cidade então tive a impressão de que os moradores tem uma boa qualidade de vida. Não é à toa que Singapura garante o 4° lugar como o país com a melhor expectativa de vida do mundo, as pessoas aqui vivem em média até os seus 82 anos.

Se você se interessou por esse país e quer ver um pouquinho mais, confira a galeria de fotos abaixo:

Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *