África, Marrocos, Roteiros

Marraquexe, roteiro de 3 dias na Cidade Vermelha do Marrocos

Ao contrário do que muitos pensam e apesar de ser o destino mais visitado, Marraquexe não é a capital do Marrocos. Sem dúvidas é um dos lugares mais fascinantes do mundo, pela sua cultura, suas cores, suas construções e seu povo.

Finalmente estou na África! O Marrocos estava na minha lista há muitos anos. Demorei um pouquinho para visitar esse país pois eu sabia que ia ser um destino muito interessante com muita coisa pra ver e pra fazer. Então eu queria ter tempo suficiente para conhecer os lugares que sempre tive vontade.

Bairro Gueliz em Marraquexe, Marrocos
Marraquexe, Marrocos.

Montei um roteiro de 10 dias pelo Marrocos incluindo o Deserto do Saara, a antiga capital Fes e a cidade azul de Chefchaouen. Essa foi uma viagem intensa, porém não ao ponto de ser cansativa mas também não posso dizer que foi super relaxante. Pois todos os dias estavam bem preenchidos com visitas aos pontos turísticos ou deslocamento entre uma cidade e outra.

Passei 3 dias em Marraquexe, tempo suficiente para ver os principais pontos turísticos da cidade, assim como alguns outros que normalmente ficam de fora da rota mais turística. Fiz tudo isso só eu e o Júnior, sem guia e sem pressa, aproveitando bastante o quanto queríamos em cada local e tirando muitas fotos.

Você vai encontrar nesse post:
Importante saber antes de ir
Chegando em Marraquexe
• Roteiro » Dia 1
• Roteiro » Dia 2
• Roteiro » Dia 3
Restaurantes em Marraquexe
Hospedagem em Marraquexe

Importante Saber Antes De Ir

Eu tinha lido tanta coisa na internet sobre como as pessoas são irritantes e importunas aqui, desde os vendedores nos souqs às mulheres que fazem tatuagem de henna na praça Jemaa el-Fna. Ou então dentro da medina quando notam que você está perdido, ficam te oferecendo ajuda pra te levar ao seu destino pra depois te pedir dinheiro.

Então não sei se foi o fato de eu estar preparada ou minha atitude de “eu sei o que estou fazendo/sei aonde estou indo/me deixa em paz” que fizeram eu ter uma experiência tranquila e completamente diferente da maioria dos relatos que li na internet. Ninguém me encheu o saco, ninguém me irritou, ninguém me pediu dinheiro, ninguém se ofereceu pra me levar a lugar nenhum, enfim, foi tudo paz e amor.

Vale a pena lembrar que 98% da população é muçulmana, então é aconselhado usar roupas que cubram as pernas e os ombros, principalmente para nós mulheres. Eu vi algumas turistas usando vestidinho e blusa de alcinha, mas eu me sentiria muito incomodada se estivesse vestida assim. Sem contar que temos que ter bom senso, não custa nada respeitar a cultura local e ser discreta.

Bairro Gueliz em Marraquexe, Marrocos
Marraquexe, Marrocos.

Chegando Em Marraquexe

Peguei um voo de Londres para Marraquexe, que foi a cidade que escolhi para começar a minha viagem de 10 dias pelo país. Cheguei logo pela manhã no aeroporto Marrakesh Menara Airport, achei esse aeroporto super moderno, bonito e organizado. Logo antes da porta de saída tem caixas eletrônicos pra quem quiser sacar dinheiro local.

Aeroporto internacional de Marraquexe, Marrakech Menara Airport
Aeroporto internacional de Marraquexe.

Eu já tinha reservado com antecedência com a acomodação que fiquei em Marraquexe, o serviço de me buscarem de táxi no aeroporto. O valor da corrida custou 15 euros, eu não achei caro e totalmente indico.

Pois já de cara quando cheguei na cidade não precisei me aventurar sozinha pela medina carregando bagagem e mapas. Já que tinha um funcionário da acomodação me esperando no aeroporto e depois outro funcionário me esperando onde o táxi me deixou para me levar por dentro da medina até a acomodação.

Mas pra quem não quiser reservar com antecedência, talvez você consiga pagar menos que isso se negociar com os taxistas que ficam no portão do desembarque do aeroporto. Talvez você economizara mais ainda se decidir ir de transporte público. Eu preferi evitar a fadiga.


Leia também:

→ Onde comer barato em Marraquexe?
→ Roteiro completo de 10 dias no Marrocos
Ait Benhaddou, o kasbah mais famoso do Marrocos


Roteiro Em Marraquexe » Dia 1

Como no primeiro dia só tinha a tarde livre decidi não me embrenhar pelos souqs logo de cara, então fiz um passeio mais tranquilo pra poder me “acostumar” com o ritmo da cidade. Saí de dentro da medina e me aventurei por seus arredores e distritos mais modernos. Fiz tudo a pé e sem guia turístico, mas isso vai de cada um.

Jardim Majorelle

A minha primeira parada do dia foi no Jardim Majorelle, um jardim colorido e fotogênico que se encontra no meio da cidade. Aqui existem mais de 100 espécies de plantas e cactos do mundo todo em volta de uma vila azul pintada com cores bem vibrantes. O contraste é bem bonito.

Projetado pelo artista francês, Jacques Majorelle, esse local levou mais de 40 anos para ficar pronto. Posteriormente esse local pertenceu à Yves-Saint-Laurent, um dos maiores estilistas da história, que comprou o jardim em 1980 e o tinha como grande fonte de inspiração para suas criações.

Esse jardim é um ótimo lugar pra conhecer durante as horas mais quentes do dia por ter bastante árvores, sombra e banquinhos pra sentar, relaxar e admirar. Mas já vou avisando, dependendo o horário do dia vai estar cheio de turista!

Esse jardim é uma atração paga. No mesmo local há uma outra atração que você pode visitar por uma valor adicional que é o Museu Berbere. Eu não fui nesse museu, que é uma exibição com artefatos do povo berbere que foram coletados ao longo de anos por Yves-Saint-Laurent e Pierre Berge. Para conferir mais detalhes sobre o local assim como os valores dos ingressos, acesse o site oficial (em inglês) clicando aqui.

Bairro Gueliz

Do Jardim Majorelle fui caminhando até o bairro Gueliz, que foi uma bela de uma caminhada de uns 20 minutos. Mas pronto, eu queria mesmo conhecer mais a cidade e o melhor jeito de fazer isso é andando.

Essa parte da cidade foi modernizada pelos franceses no começo de 1900. Então aqui é tudo muito diferente da medina pois foi construído com mais planejamento seguindo os padrões europeus. Eu vi lojas de marcas internacionais como a Zara e a Mac. Vi também alguns restaurantes de rede como KFC e McDonalds, que me chamou muita atenção por ter um letreiro em árabe.

Teatro Real

Mais alguns minutos de caminhada cheguei ao Teatro Real de Marraquexe. O teatro foi inaugurado em 2001 pelo rei Mohammed VI, ele conta com uma sala de concertos para 800 pessoas e um teatro a céu aberto com capacidade para 1200 pessoas.

A arquitetura dele é impressionante e de grande importância para os marroquinos, um misto do tradicional com o moderno. Uma variedade de apresentações acontecem aqui, como óperas, ballet e performances nacionais e internacionais.

Um dos funcionários da riad disse que eu não precisava vir pra esses lados pois não tinha nada de tão interessante pra ver. Ainda bem que eu não dei ouvidos e vim mesmo assim!

Teatro Real de Marraquexe, Marrocos
Teatro Real de Marraquexe, Marrocos.

Estação De Trem De Marraquexe

Do outro lado da rua fica a estação central de trens de Marraquexe. Quando eu digo fora do roteiro turístico é a isso que me refiro. Quem normalmente gosta de visitar uma estação de trem? Eu! Principalmente quando é moderna, limpa, organizada e rica em detalhes como a de Marraquexe. Fiquei encantada com ela, tanto por dentro como por fora. Me deu uma vontade de ter feito uma viagem de trem pelo Marrocos!

A estação de trem atual foi construída no final de 2000, combina o estilo tradicional marroquino com o islâmico e tem um design bem moderno. Geralmente é aqui que você vai ter uma noção real do ritmo da cidade, quem são os moradores locais, quem chega e quem vai. Essa foi a ultima parada do dia, depois voltei à riad para tomar um banho e sair a noite pra jantar.

Roteiro em Marraquexe » Dia 2

O segundo dia ficou para fazer um percurso bem turístico que inclui algumas das principais atrações da cidade. Novamente fiz tudo a pé e sem guia turístico.

Mesquita Koutobia

Construída no século 12, essa é considerada a maior mesquita em Marraquexe. A arquitetura dela serviu de modelo para a Giralda de Sevilha e para a Torre Hassan em Rabat. Seu nome significa “Mesquita dos Livreiros”, pois haviam diversos vendedores de livros “kutubiyyin” ao redor da mesquita logo quando ela foi construída.

Rezas acontecem no local 5 vezes ao dia, mas a entrada é proibida para não-muçulmanos. Mesmo assim, vale a pena conferir esse ponto turístico, dar uma volta na praça logo em frente a mesquita, ou então pegar um milkshake em um dos restaurantes com terraços que ficam do outro lado da rua, foi isso que eu fiz! Bacana também vir dar uma conferida à noite, pois ela fica ainda mais linda com a iluminação.

Portão Bab Agnaou

As muralhas ao redor da medina de Marraquexe se estendem por 19 km, elas foram construídas com uma espécie de argila vermelha, o que dá a cidade o apelido de Cidade Vermelha. Hoje em dia existem um total de 19 portões de acesso à medina.

Saindo da mesquita Koutobia, segui caminhando em direção à segunda parada do dia. Construído em 1150, o Bab Agnaou é um dos portões de acesso à medina mais conhecido. Esse portão era usado por plebeus e ainda mantém a arquitetura militar Maghreb.

No alto tem uma inscrição dizendo “Entre abençoado pessoa serena”. No dia que visitei, tive a sorte de ver duas cegonhas em seus ninhos lá no alto em cima do portão, repare nessa foto abaixo.

Portão Bab Agnaou, Bab Agnaou, Nadia Ramanauskas
Portão Bab Agnaou, em Marraquexe.

Tumbas Saadianas

Um dos pontos turísticos mais visitados em Marraquexe são as Tumbas Saadianas, que ficam pertinho do portão Bab Agnaou. Nesse local estão enterradas dezenas de pessoas da dinastia saadiana. Assim que você entra nas tumbas, há um jardim cemitério ao centro e dois mausoléus, um de cada lado do jardim. Cada mausoléu é dividido em diferentes câmaras.

A câmara principal é chamada de Câmara dos 12 Pilares, ela foi construída em estilo arabesco com mármore original de Carrara na Itália. Essa câmara é do sultão Ahmed Al-Mansour e de membros da sua família. Ela é rica em detalhes no chão, nos pilares, nas paredes e tem detalhes em ouro puro no teto.

Outras pessoas estão enterradas nos jardins do mausoléu, como parentes distantes do sultão e soldados mais importantes. A entrada é paga, mas é bem baratinho e vale a pena. No dia em que visitei as filas dentro do mausoléu estavam enormes. Foram cerca de uns 20 minutos em cada fila embaixo de um sol escaldante para poder dar uma olhada rapidinha de segundos dentro de cada câmara.

Palácio El Badi

Depois de visitar as tumbas fui almoçar no restaurante Cafe Clock, eu falo mais dele logo abaixo nesse post na seção de restaurantes em Marraquexe. Em seguida, fui caminhando até o Palácio El Badi. Esse palácio foi construído pelo sultão Ahmed Al-Mansour no século 16, no auge da dinastia saadiana para comemorar sua vitória sobre o exército português em 1578.

Menos de 100 anos depois da sua construção, houve a queda da dinastia e o palácio entrou em decadência, seus objetos e até algumas de suas paredes foram levados embora. A área do palácio é bem grande, com destaque para o pátio central e seus jardins.

A visita à esse palácio superou minhas expectativas, eu achei a construção bem diferente do que já vi por aí e adorei passear por seus jardins cheios de gatos e laranjeiras. A vista do terraço para a cidade é muito linda, não deixe de conferir. Essa é uma atração paga, mas eu diria que o valor é simbólico.

Palácio Bahia

Na minha opinião, o Palácio Bahia é um dos destaques de Marraquexe. Nenhuma visita à essa cidade fica completa se você não der um pulinho aqui. Seu nome significa “O Bonito” e tenho que concordar. Apesar de ser um palácio antigo, sem mobília e precisando de alguns reparos, ele tem seu charme.

O palácio é formado por um conjunto de prédios com pátios centrais construídos no final do século 19 a mando do grão-vizir (primeiro ministro do império Otomano) Bou Ahmed. O objetivo era reunir exemplos de arquitetura islâmica e marroquina, além de servir de residência para ele, suas 4 esposas, 24 concubinas e muitos filhos. Hoje é mantido pelo governo e algumas vezes é utilizado para recepções à autoridades estrangeiras.

Apesar de ter bastante turistas visitando no dia que fui, eu consegui curtir bastante minha visita a esse palácio. Pude admirar com calma todos os pátios, jardins e corredores. Também consegui fazer fotos lindas e sem ninguém em volta. Só foi preciso um pouco de calma, pois as pessoas não ficam muito tempo nos lugares, a maioria parece ter tanta pressa que acabam perdendo a possibilidade de curtir a paz e a tranquilidade que esse lugar nos passa.

Roteiro Em Marraquexe » Dia 3

O terceiro e último dia deixei pra conhecer os souqs, já estava me sentido mais acostumada com o ritmo da cidade, de seus moradores e já sabia me localizar sem ajuda de mapas (na maioria da vezes). Tive o dia todo pra explorar a medina com calma e no meu passo, sem correria nenhuma.

Praça Jemaa El-Fna

Durante meu primeiro e segundo dia eu já havia passado na praça principal de Marraquexe algumas vezes, enquanto estava caminhando pela cidade, indo e voltando de algum lugar. Inclusive jantei em restaurantes na praça ou ao redor dela as 3 noites que estive em Marraquexe.

Enfim, isso tudo para dizer que essa é a praça central da cidade e aqui o bicho pega (literalmente)! Considerada patrimônio da UNESCO, essa é uma das praças mais famosas de toda África. Ela foi fundada em 1071 e até hoje tem recebido gente do mundo todo.

Durante o dia é cheia de artistas de rua, encantadores de cobra, vendedores ambulantes, mulheres que fazem tatuagem de henna, barraquinhas de suco e castanhas. Com certeza, é uma das principais atrações turísticas da cidade.

Se durante o dia ela já é o point da cidade, à noite ela vira um espetáculo a parte. Pois a maioria das pessoas saem pra rua essa hora, quando o clima está mais fresco. Durante a noite eles montam uma feirinha enorme com barracas de comida pra todos os lados, tem grupos de músicos tocando por todas as partes, dançarinas, tem o dobro de ambulantes que tem durante o dia e muitas tatuadoras de henna, enfim, muito de tudo e de todo mundo.

Não deixe de visitar durante a noite também para ver o tanto que ela se transforma. É bom ter moedas no bolso caso você queira tirar fotos, a não ser que você consiga bater fotos de longe e bem discretamente. Vale a pena lembrar que todo lugar cheio de gente pode ser um local fácil para batedores de carteira, então fique sempre atento aos seus pertences.

Souqs

Souq é um mercado tradicional árabe onde você encontra tudo: de temperos à sapatos. Se você gosta de compras, esse será o ponto-auge da sua viagem. Geralmente os souqs divididos de acordo com a mercadoria que está sendo vendida, por exemplo, tapetes, luminárias, e etc.

Aqui a regra é barganhar até que ambas as partes cheguem em um acordo. Não se preocupe, todos os comerciantes estão acostumados a fazer isso o dia inteiro. E realmente você vai querer levar tudo pra casa, mas cuidado com o peso extra na bagagem!

Eu e o Júnior fizemos um passeio pelos souqs sem nenhum guia. Mas confesso que algumas vezes nos perdíamos e não sabíamos se estávamos passando pelo mesmo lugar pela segunda, as vezes terceira vez. Aposto também que deixamos de ver várias partes legais e lugares que só locais conhecem. Então talvez seja uma boa ideia procurar um passeio guiado para poder aproveitar mais o que esse local incrível tem a oferecer. Certamente é isso que eu vou fazer na próxima vez que voltar pra Marraquexe.

Le Jardin Secret

Esse lindo jardim se encontra bem no meio da medina, é um ótimo lugar pra relaxar e se esconder do solzão do meio-dia. As origens são na dinastia saadiana, mais de 400 anos atrás. Le Jardin Secret é um jardim exótico com características tradicionais islâmica e um sistema de irrigação subterrâneo conhecido como khettara.

No mesmo complexo você também encontra uma lojinha e um café no segundo andar da torre, um ótimo lugar para fotos panorâmicas. É cobrada uma taxa para entrar no jardim e mais uma taxa caso você queira subir até o topo da torre. Eu não subi, mas acredito que a vista da cidade lá de cima deve ser incrível.

Eu gostei bastante de conhecer esse jardim, apesar de não ter muita coisa pra fazer, mas o legal pra mim foi conhecer um lugar diferente e acima de tudo: belo! Consegui fazer lindas fotos aqui e me senti realmente descobrindo um jardim secreto.

Museu De Marraquexe

O Museu de Marraquexe se encontra dentro da medina, bem pertinho do Le Jardin Secret. Eu não conheci muitos museus em Marraquexe, mas ter visto esse aqui realmente valeu a pena. A entrada é paga, mas eu diria que é um valor simbólico.

Esse museu se encontra em um dos antigos palácios da cidade, chamado Dar Menebhi. Antes da era colonial, esse palácio era a residência do ministro da defesa do país. Em seguida foi uma escola para meninas e por fim, o palácio foi restaurado e transformado em um museu.

Estabelecido e mantido por um empresário local amante das artes, o museu possui em seu acervo obras de arte tradicional marroquina, cerâmicas, moedas e pinturas. O destaque fica para o luxuoso pátio interno em estilo andaluz, com madeira de cedro entalhada, azulejos coloridos, vitrais e um lustre enorme. Uma cobertura que permite a entrada da luz do dia foi adicionada ao pátio para proteger as obras. O museu conta com varias salas e ambientes diferentes, o legal é explorar e ir descobrir o que tem no final de cada corredor.

Madraça Ben Youssef

Logo quase em frente ao Museu de Marraquexe fica a madraça Ben Youssef. A madraça é uma instituição educacional onde os alunos estudam e memorizam o alcorão. Essa madraça em Marraquexe é considerada a maior do Marrocos, ela leva o nome do sultão Ali ibn Yusuf, que foi responsável pela expansão da cidade. Por toda a madraça há numerosas inscrições, das quais a mais comum é a invocação bismalah: “Em nome de Alah, o piedoso, o misericordioso.”

Essa escola corânica estava em primeiro lugar na minha lista de atrações que eu mais queria visitar. Mas adivinha? Estava fechada para reforma assim como o museu Dar Si Said. Esse tipo de situação acontece em todo lugar do mundo, não adianta ficar chateado. Já conheci gente que teve 3 dias pra visitar o Taj Mahal na Índia e todos os dias ele estava fechado.

Por enquanto, vou ter que me contentar com essa foto que eu tirei do lado de fora da madraça. Mas espero conseguir voltar pra Marraquexe em breve e ter a oportunidade de visitar esse lugar por dentro.

Madraça Ben Youssef, Ben Youssef Madrasa
Madraça Ben Youssef, em Marraquexe.

Restaurantes Em Marraquexe

Dos restaurantes que conheci em Marraquexe tem 3 que faço questão de indicar, um em cada canto da cidade. Pelo fato da comida ser muito gostosa e o preço acessível.

O primeiro deles se chama La Cantine Des Gazelles, um dos restaurante mais bem avaliados no Trip Advisor na seção de “baratos”. A localização é ótima ficando menos de 5 minutos andando da praça central Jemaa el-Fna. A comida é excelente e os pratos são bem servidos, tem opções de pratos marroquinos e alguns outros pra quem não quer comida local como omelete e etc. Vale muito a pena conhecer.

Na primeira noite que passei lá já tinha reservas pra noite toda, então voltei no almoço do dia seguinte, estava bem cheio também com bastante turistas mas não precisei esperar pra sentar. Então fica a dica, fazer uma reserva é essencial caso você queira vir aqui pra jantar.

O segundo restaurante que eu indico se chama Cafe Clock, uma rede de café/restaurante com filiais em Marraquexe e Fes. Vi muita indicação desse lugar em vários blogs na internet, a maioria dizendo que era um ótimo lugar pra experimentar comida marroquina, mas que haviam opções para quem prefere comida ocidental o que faz dele um restaurante cheio de turistas, mas isso não me incomoda.

Se você gosta de comida exótica, aqui eles vendem hambúrguer de camelo. Eu amo experimentar comida típica então não perdi a oportunidade e escolhi algumas opções. O restaurante é localizado à menos de 10 minutos caminhando das Tumbas Saadianas.

O local é bem jeitosinho, fotogênico, todo decorado cheio de grafites e obras de arte, no andar de cima tem umas mesinhas no terraço e um restaurante aonde eles dão curso de culinária marroquina.

Cheguei no terceiro restaurante por acaso, não tinha visto nada em site de viagens ou Trip Advisor. Simplesmente estava com fome, passei em frente, vi o preço bom e bastante gente comendo e falei: é aqui mesmo que eu vou.

Foi o melhor cuscuz de vegetais que comi em toda a viagem. O restaurante fica na mesma rua do Jardim Majorelle, o nome dele é Pause Gourmande. Eles também servem outras opções de comida para quem não quer experimentar pratos típicos, como pizzas e sanduíches.

Restaurante Pause Gourmande, Pause Gourmande, Marrocos
Cuscuz de vegetais do restaurante Pause Gourmande em Marraquexe.

Hospedagem Em Marraquexe

Na minha opinião o melhor tipo de acomodação no Marrocos é a riad, que é um tipo tradicional de casa marroquina construída em volta de um pátio, algumas ainda contam com uma pequena piscina e/ou terraço. A maioria dessas riads foram convertidas em hotéis de poucos quartos, o que faz com que os hóspedes sejam atendidos em um ambiente mais familiar.

Geralmente, as riads se encontram dentro da Medina, ou seja o centro antigo da cidade. Essa região é um ótimo local para se hospedar por ser próxima das principais atrações turísticas.

Em Marraquexe me hospedei na Riad Julia e indico pois gostei da bastante da estadia, da equipe, do quarto, do café da manhã e da localização, fica menos de 10 minutos andando da praça principal Jemaa el-Fna. A experiência vale muito a pena. Algumas riads podem ser bem caras e luxuosas, mas essa aqui cabe no bolso de todo mundo.

Você terá tempo de conversar com os funcionários e saber um pouquinho mais sobre a vida e o dia-a-dia dos marroquinos. Geralmente o café da manhã está incluso no valor da diária e é muito bem servido, tem suco fresquinho de laranja, café, pão, torradas, panquecas e croissant. Também tem opção de café da manhã marroquino, você escolhe o que preferir.

Marraquexe é um daqueles lugares que todo mundo deveria visitar pelo menos uma vez na vida. É mais do que ter história pra contar, é fazer parte dela. A cultura e o estilo de vida deles é completamente diferente do nosso, mas eu achei o povo marroquino bem simpático e acolhedor.

Esse país superou todas as minhas expectativas e eu estou muito feliz por ter tido a oportunidade de conhecê-lo.

Veja todos os posts do Marrocos no Mais um Destino.

Vai passar mais do que um dia em Marraquexe? Reserve seu hotel no booking.com usando o link do blog. Além de oferecer segurança e acomodações incríveis, você ainda me ajuda a manter o Mais um Destino no ar sem pagar nada por isso! Muito obrigada. 🙂

Compartilhe:

4 comentários em “Marraquexe, roteiro de 3 dias na Cidade Vermelha do Marrocos”

  1. Que ótimo Nádia que você conheceu Marraquexe, posso chamar de cidade maravilhosa também e que ótimo você deixar todas essas informações pessoais suas aqui pra todo mundo!! Felicidades sempre em suas viagens.

    1. Marraquexe é única, tem muita coisa diferente pra ver e pra fazer. Eu indico pelo menos 3 dias inteiros pra poder visitar os locais principais da cidade.

Deixe seu comentário