Europa, Irlanda do Norte, Reino Unido

Belfast

Eu tenho a impressão de que Belfast, a capital da Irlanda do Norte, é subestimada. Vejo muita gente viajando para Dublin, na Irlanda, mas poucas pessoas parecem esticar a viagem para conhecer o norte. Não seja essa pessoa! Pois se você viajar pra Irlanda e não incluir a Irlanda do Norte no seu roteiro, as chances de você voltar pra visitar esse país são bem remotas.

As duas Irlandas ficam na mesma ilha, mas uma é tão diferente da outra. Lógico que eu não ia perder essa oportunidade, especialmente porque eu estava doida pra conhecer o Giant’s Causeway. E só posso dizer que foi uma decisão muito feliz, pois amei conhecer a Irlanda do Norte. Nesse post vou te mostrar o que tem de legal por aqui.

Museu do Titanic – Belfast, Irlanda do Norte.

Geralmente, a maioria das pessoas se referem à Irlanda do Norte como um país. Mas na verdade ela faz parte do Reino Unido, juntamente com a Inglaterra, a Escócia e o País de Gales. Inclusive, a Irlanda do Norte é a única que não se encontra na ilha da Grã Bretanha. Sim, é uma confusão danada e até eu que já moro no Reino Unido há muito tempo ainda me confundo as vezes.

A Irlanda do Norte tem um fato recente em sua história que é bem marcante. Houve um conflito chamado “The Troubles”, ou traduzido livremente para o português “Os Problemas”, que se iniciou nos anos 60 e durou mais de 3 décadas ocasionando a morte de mais de 3 mil pessoas e deixando mais de 50 mil feridas.¹

Resumidamente, The Troubles foi um conflito entre os Nacionalistas e os Legalistas da Irlanda do Norte provocado pela demanda de direitos civis. Embora existissem católicos de um lado e protestantes do outro, esse conflito não era essencialmente sobre religião.

Apesar do recente passado sombrio e sangrento, hoje a capital de Belfast, está em paz e de braços abertos para o turismo mundial.

Eu certamente noto a vitalidade em Belfast, que não existia lá nos anos setenta. Havia uma guerra acontecendo lá. Agora há guindastes em todo lugar. Existe realmente uma sensação de renovação e esperança. [Liam Neeson]

Outro fato torna Belfast um destino imperdível, é que foi aqui que o famoso navio Titanic foi planejado, construído e lançado ao mar em 1912.

Gente, que emoção é estar aqui. Saber que esse foi o local, que há mais de 100 anos, milhares e milhares de pessoas se aglomeraram pra ver o Titanic partir para sua primeira viagem rumo aos Estados Unidos. Muitas dessas pessoas estavam aqui se despedindo de seus familiares e amigos, para uma viagem que na verdade os levaria à morte.

Viagem De Dublin À Belfast

Depois de alguns dias explorando a Irlanda, foi hora de seguir viagem rumo à mais um destino, a Irlanda do Norte. O país que estava faltando conhecer pra eu completar o Reino Unido. Antes da viagem, eu já tinha deixado reservado as passagens de ônibus que iam fazer o trajeto Dublin → Belfast.

Existem varias empresas que fazem esse percurso. Eu peguei o ônibus no centro de Dublin e desci do ônibus no centro de Belfast. A viagem durou um pouco mais de 2 horas e foi muito confortável. Pude admirar a paisagem linda do interior da Irlanda, tudo tão verdinho. Você sabia que essa ilha que abriga as duas Irlandas é chamada de Ilha Esmeralda? Exatamente por esse motivo, pelo verde exuberante das suas colinas e vales.

No total foram 3 dias e 3 noites na Irlanda do Norte. No primeiro dia, cheguei em Belfast já no final da tarde. As únicas coisas que fiz foi deixar as mochilas no hostel, jantar, tomar um banho e dormir cedo. No dia seguinte, eu fiz o passeio pra Giant’s Causeway e outros lugares da costa, em breve farei um post completo com todos os detalhes. No terceiro dia, eu tirei o dia inteiro pra explorar Belfast.

Agora que entra a jogada que eu fiz. No último dia eu não voltei pra Dublin, pois peguei meu voo pra Londres do aeroporto de Belfast. Ou seja, eu cheguei por Dublin, mas fui embora por Belfast. Salvando assim tempo, dinheiro e incluíndo um país a mais no roteiro!

Paisagem verdinha que me acompanhou o caminho todo de Dublin à Belfast.

Atrações Turísticas Em Belfast

Abaixo está a lista dos lugares que conheci na capital da Irlanda do Norte. A capital não é assim tão grande, eu fiz todo o meu passeio a pé, mas diga-se de passagem que no final do dia eu fiquei bem cansada pois eu andei muito. Nesse caso, acredito que 2 dias sejam mais do que suficientes para conhecer Belfast com calma.

Belfast City Hall – Prefeitura de Belfast

A Prefeitura é um dos prédios mais bonitos de Belfast, na minha opinião. Antes de sua construção, nesse mesmo local havia uma indústria de tecidos, de grande importância internacional. Porém, no ano de 1888, a rainha Victoria deu à Belfast o status de cidade. Então começaram os planos para a construção da prefeitura que foi inaugurada no ano de 1906.

Essa construção divide a área comercial e financeira no centro da cidade. Esse local é bastante frequentado por famílias, grupos de adolescentes e outras pessoas. Aqui é um lugar perfeito pra fazer um picnic no gramado ou em um dos bancos do jardim (principalmente pra quem estiver com a grana curta!).

Titanic Memorial Garden – Jardim Memorial do Titanic

O Jardim Memorial do Titanic fica ao lado esquerdo da Prefeitura de Belfast. Ele foi construído em homenagem aos 100 anos do naufrágio do Titanic, que aconteceu em 1912. Nele você encontra uma placa, de mais de 9 metros de comprimento, com os nomes por ordem alfabética de todas as 1.512 vítimas desse acidente. Segundo o site oficial do turismo de Belfast, as cores do jardim simbolizam o gelo e a água.²

A estátua que vemos logo na foto abaixo é a versão feminina de Thanatos, que na mitologia grega representa a morte. Ela está segurando uma coroa de louros preta e aos seus pés estão duas sereias carregando um marinheiro morto acima das ondas. Esse é o único memorial para as vítimas do Titanic que existe no mundo.

Victoria Square Shopping Center

Quem é que viaja pra um país novo e quer saber do shopping center que tem lá, né? Bom, talvez essa dica não seja útil para muita gente, mas eu vou explicar o porquê ela está aparecendo aqui. Em primeiro lugar, eu sempre visito shoppings porque geralmente são lugares aonde a gente encontra varias opções de restaurantes. Em segundo lugar, o shopping Victoria Square estava a caminho de uma outra atração turística da minha lista, então por que não passar por dentro do shopping?

Bom, depois de ter falado os meus motivos sobre a visita, agora vem minhas impressões. Eu achei esse shopping muito diferente de outros que já visitei, tanto as construções quanto esse lindo teto de vidro. Por causa disso, o shopping é bem iluminado, a sensação é de como se você estivesse andando em um shopping à céu aberto.

Inclusive, dá pra subir na cúpula de vidro pra aproveitar uma vista de 360° da cidade. Infelizmente, não sei dizer se vale a pena ou não, porque quando cheguei lá eles haviam acabado de fechar pra visitação. Se você ficou com vontade de dar uma espiada nessa vista, lembre-se que quanto antes você for melhor.

Spirit of Belfast

Essa escultura fica pertinho do shopping Victoria Square. Ela representa o passado industrial de Belfast. A força da construção naval e a delicadeza na produção de tecido. Mas também simboliza o “espírito de uma Belfast” moderna nas curvas do metal, que refletem energia e positividade. Os locais carinhosamente chamam essa escultura de onion rings, que em português significa anéis de cebola.

The Grand Opera House

Outra construção que se destaca no centro da capital é o majestoso prédio da Opera de Belfast. Construído em 1895, inicialmente era onde atos burlescos, comédias musicais e melodramas eram apresentados. O teatro viveu seus anos dourados durante a década de 1930. No decorrer da Segunda Guerra Mundial, as apresentações foram reduzidas à uma vez por semana.

Por volta de 1969, quando a Irlanda do Norte estava sofrendo o caos da revolta civil, o centro da cidade se tornou uma área proibida à noite. Posteriormente, em 1991 e novamente em 1993, a estrutura da Opera foi bastante danificada com a explosão de 2 carros bomba na rua Glengall.

Mesmo depois de tudo isso, a Opera continua em pé firme e forte. Em janeiro de 2020 o teatro será fechado por um período de 10 meses para ser restaurado, e abrirá suas portas novamente em dezembro de 2020 para celebrar seu aniversário de 125 anos.

Europa Hotel

Podia ser só mais um hotel? Podia, mas não é. Esse é o hotel mais bombardeado da Europa e também do mundo! Ele possue quatro estrelas e fica bem no centro de Belfast, pertinho do hostel onde eu estava hospedada. Esse hotel já foi frequentado por presidentes, primeiro ministros e celebridades.

Existem alguns documentários disponíveis na BBC caso você queira saber mais detalhes dos acontecimentos que envolvem esse hotel icônico. Um deles se chama Lobby Lives, que foi filmado dentro do hotel e o outro documentário se chama Europa Hotel – Bombs, Bullets and Business as Usual.

The Crown Bar

A fachada desse pub me chamou muita atenção, me lembra um filme de velho oeste. Vai ver isso se deve por causa das cores, da arquitetura ou por causa da palavra saloon escrita logo acima da porta de entrada. Originalmente o bar se chamava The Crown Liquor Saloon.

Com mais de 100 anos, esse bar foi um dos mais poderosos palácios de gin, como eram chamados na época victoriana. Ainda possui muitas das características originais, um exemplo disso é a iluminação à gás. O edifício já passou por algumas reformas desde então, mas ainda faz parte da lista de propriedades protegidas pela National Trust em Belfast. Beber um chope aqui é a mesma coisa de voltar no tempo!

St George’s Market – Mercado Municipal

Uma das coisas que eu mais amo fazer toda vez que chego em um novo destino é conhecer o mercadão municipal. Pra mim é sempre uma parada obrigatória, já falei isso algumas vezes aqui no blog. O mercado municipal é o lugar perfeito pra você comer barato comidas locais, comprar artesanato, conhecer um pouco mais do dia-a-dia dos moradores da cidade e por aí vai.

Em Belfast, eu visitei o St George’s Market, uma das atrações turísticas mais antigas da cidade. Pra você ter uma noção, as feiras de sexta-feira acontecem aqui nesse mesmo local desde 1604. O edifício do atual mercadão foi construído entre 1890 e 1896. Gente, é muita história pra contar!

Aqui você vai encontrar muita comida, frutas, verduras, doces, além de muita arte e artesanato. O mercadão abre as sextas, sábados e domingos.

Beacon of Hope – Estátua da Harmonia

Essa escultura de mais de 15 metros simboliza o período de transformação e regeneração que ocorreu nos últimos 10 anos ao longo das margens do rio Lagan. A escultura fica na Thanksgiving Square, é uma figura feminina em cima de um globo, combinando alguns dos principais elementos arquitetônicos da Thanksgiving Square em Dallas, no Texas.

No chão, há uma placa com a seguinte frase: A Estátua da Harmonia se encontra aqui na Thanksgiving Square, em um globo que simboliza a unidade da humanidade. É um símbolo da luz que pode enriquecer nossas vidas, através da paz, da reconciliação e o respeito pela diversidade.

Sheep on the Road

Sheep on the Road traduzido para o português significa Ovelhas na Estrada. Essa escultura à céu aberto em tamanho real de um pastor e seis ovelhas, fica bem próxima às margens do rio Lagan. Foi esculpida em 1991 pela artista Deborah Brown, originalmente para compor o jardim do Riddel Hall em Belfast. Em 1999 foi relocada para o Waterfront Hall.

Rio Lagan

Como Belfast é pequena, dá pra explorar tudo a pé. E olha que surpresa boa que eu tive no caminho do centro da cidade até o Museu do Titanic. Esse é o rio Lagan, ele possui mais de 86km de extensão. Ele nasce na montanha Slieve Croob e deságua no Belfast Lough, uma entrada do mar da Irlanda.

As margens do rio foram recentemente revitalizadas, hoje em dia é um local seguro, perfeito pra fazer uma caminhada e curtir a vibe mais tranquila dessa parte da cidade.

Belfast Harbour Marina

Continuando minha caminhada pelas margens do rio Lagan até o Museu do Titanic, passei pela marina de Belfast. Ela foi instalada nesse local em 2009 para sediar o Festival de Barcos de Belfast. A marina fica uns 15 minutos a pé do centro, em meio à prédios que me pareceram ser residenciais.

O legal é que nessa area muitos moradores vem correr, fazer atividade física, outros vem passear com a família, ou ir ao cinema que tem aqui pertinho. Isso é legal pra gente ter uma noção do dia a dia da galera que vive aqui em Belfast.

SS Nomadic

Conhecida carinhosamente como a “irmãzinha do Titanic” que na realidade de pequenininha não tem nada. A SS Nomadic foi construída juntamente com o Titanic, com o mesmo design e semelhantes acabamentos de luxo, mas com apenas ¼ do tamanho. Em abril de 1912 a Nomadic completou a sua mais famosa tarefa, que foi transferir os passageiros da primeira e segunda classes das docas rasas de Cherbourg  até o Titanic que estava atracado em águas mais profundas perto da costa.

Posteriormente, a SS Nomadic serviu nas duas guerras mundiais, transportou milhares de passageiros para os maiores transatlânticos do mundo, por mais de 30 anos serviu de restaurante no rio Sena aos pés da Torre Eiffel. Depois de mais de 100 anos de vida, a SS Nomadic está de volta em casa, foi completamente restaurada e hoje está aberta pra visitação.

Harland and Wolff

A região onde fica o SS Nomadic e o Museu do Titanic é conhecida como Titanic Quarter. Além dessas atrações, aqui você encontra também o estaleiro Harland and Wolff, uma indústria especializada em construção e reformas de navios. O navio mais famoso construído aqui nesse local, foi o próprio Titanic. Os guindastes amarelos gigantescos são chamados de Sansão e Golia, eles já se tornaram marcos da cidade de Belfast.

Museu do Titanic

O Museu do Titanic é uma das principais atrações turísticas de Belfast. A construção aonde o museu está localizado, pra mim, foi a parte mais importante da experiência. Pois o formato e a altura do prédio são exatamente iguais ao tamanho da proa do Titanic. Você se sente uma formiguinha diante dessa construção gigantesca. Foi exatamente aqui nesse lugar que o Titanic foi projetado, construído e lançado ao mar em 1912.

O ingresso pra entrar no museu custa 19 libras se você comprar com antecedência pelo site. Bom, pra falar a verdade eu achei caro e como estava viajando com o orçamento meio apertado tive que deixar essa experiência pra uma outra oportunidade. Mas, isso não me impediu de ir até lá conhecer a região, ver essa construção de pertinho, inclusive entrar na lojinha do museu e tirar uma foto com a réplica do anel da Rose.

The Big Fish

The Big Fish, traduzido para o português seria O Peixe Grande, também é localmente conhecido como The Salmon of Knowledge, ou O Salmão do Conhecimento. Essa escultura é realmente grande e chama bastante atenção. Ele foi inaugurado em 1999 em reconhecimento da revitalização das margens do rio Lagan. O que eu mais achei legal é que ele é todo feito em cerâmica, o que dá a ilusão de serem verdadeiras escamas quando o sol brilha à favor.

O artista John Kindness incorporou à estrutura do peixe, recortes de notícias locais, desenhos de crianças, e fotos históricas para descrever as mudanças em Belfast ao longo dos anos.

Albert Memorial Clock – Relógio Memorial de Albert

Ficamos eu, minha amiga e meu noivo discutindo: se a torre estava torta ou não estava torta para um lado. Tivemos que conferir no Google pra ver quem de nós estava certo. E sim, o Albert Clock está mesmo inclinado para um lado, e a razão disso é por ter sido construído sobre estacas de madeira e terras pantanosas ao redor do rio Farset.

A torre foi construída em estilo gótico no ano de 1865 para comemorar o consorte da rainha Victoria, o príncipe Albert. Nela você encontra uma estátua do príncipe Albert, leões coroados ao redor da torre e um sino de duas toneladas no seu interior.

St Anne’s Cathedral – Catedral de Belfast

Outro lugar que eu adorei conhecer foi a Catedral de Belfast, tão linda e com tanta história, que valeu a pena a caminhadinha que foi pra chegar até ela. A catedral começou a ser construída no ano de 1899 em estilo romanesco sendo completada somente no ano de 1903.

Esse risco que você consegue ver logo acima da cruz não é um defeito da foto, e sim o Spire of Hope, uma estrutura de aço inoxidável de 40 metros que foi acrescentada à estrutura em 2007. Vale a pena entrar pra dar uma conferida.

The Buoy Sculptures

Essa é uma escultura bem diferentona que fica no jardim em frente à Catedral de Santa Ana (St. Anne’s Cathedral). Quando eu a vi pela primeira vez fiquei confusa tentando entender o seu significado. Tive que dar uma olhada no Google, fiquei até supresa com o resultado interessante que apareceu.

Esse foi um presente dos comissionários da Irish Lights para a cidade. A palavra buoy significa bóia em português. Ela representa a influência marítima da área, da construção naval à bravura dos soldados locais no mar durante a guerra. Cada bóia tem uma forma e uma cor diferente, cada uma com seu significado no código naval.

Belfast Graffiti – Murais de Belfast

Os murais viraram símbolos na Irlanda do Norte, isso tudo por causa das divisões políticas e religiosas que existiam e ainda existem no país. Belfast e Derry possuem os murais políticos mais famosos da Europa. Acredita-se que quase 2 mil murais foram documentados desde a década de 1970. Os murais comemoram, exibem e comunicam aspectos da cultura e da história.

Os temas dos murais geralmente refletem o que é importante para uma comunidade em particular. Por exemplo, a greve de fome irlandesa de 1981, o massacre de Ballymurphy, o bombardeio do bar McGurk, e por aí vai.

Dica: pra quem quer conhecer mais dessa parte da história da Irlanda do Norte, da divisão de Belfast e dos murais de cunho político, tem uma tour super famosa e que um amigo britânico me indicou. Infelizmente, como só tive um dia na cidade não deu tempo de fazer, mas eu vou deixar o site aqui, caso você queira dar uma olhada se te interessa. O passeio se chama Black Cab Tour e você encontra mais informações aqui.

Onde Se Hospedar Em Belfast

Eu achei que em Belfast existem poucas opções de acomodação e os preços são mais caros do que em Dublin. Pesquisei bastante, em varios sites diferentes mas todas as buscas me ofereciam somente duas opções pelo preço que cabia no meu orçamento e para data que iria visitar a cidade.

Fiquei hospedada no International Youth Hostel. No geral, eu achei ótimo custo-benefício. Em primeiro lugar, a localização é ótima, fica perto do centro, de mercados e restaurantes. O prédio é enorme, com uns 4 andares ou mais. Eu não consigo nem imaginar quantas pessoas eles conseguem acomodar. Tem gente de todas as partes do mundo, e de todas as idades também. Tinham casais de pessoas mais velhas assim como tinham algumas famílias com crianças. Eu estava meio em duvida por causa do nome, achei que pudesse ser alguma república de estudantes mas estava enganada.

Eu peguei um quarto privado com uma beliche que eu dividi com meu noivo e um outro quarto igual para uma amiga que estava viajando com a gente. O quarto era realmente bem pequeno, mas serviu seu propósito que foi nos dar uma boa noite de sono. Os banheiros do hostel são compartilhados, do lado do meu quarto haviam uns 4 banheiros que passaram satisfatoriamente no quesito higiene pra mim.

A melhor parte do hostel pra mim foi a cozinha. Simplesmente gigante, com varios fogões pra quem quiser preparar sua própria comida, assim como microondas pra quem quiser só esquentar uma refeição daquelas prontas que vendem no mercado. Foi o que fiz pra economizar nessa viagem. Outra coisa, eles servem café da manha aqui, custa bem baratinho e vale a pena.

Pôr-do-Sol visto da janela do International Youth Hostel em Belfast, na Irlanda do Norte.

Se você chegou até aqui, eu tenho uma pergunta a fazer. Depois de ler isso tudo sobre Belfast, você tem certeza que vai ficar só em Dublin mesmo? Tem certeza que, como dizem por aí, Belfast é sem graça e não tem nada pra fazer? Bom, eu tenho meus motivos pra discordar e mais motivos ainda pra querer voltar um dia!

Compartilhe:

6 comentários em “Belfast”

  1. Não existe lugar sem graça. Como escreveu o escritor Português Fernando Pessoa “Tudo vale a pena se a alma não é pequena”. Essa parte da Irlanda do Norte que você mostrou é muito interessante e consegue nos deixar entusiasmados em conhecer mais esse encantador lugar do Reino Unido. Valeu Nádia!!

    1. Por esse motivo eu sou grata por todos os lugares que já conheci esse mundo afora. Por menor, mais distante e mais simples que sejam, foi com vocês que eu aprendi que “Tudo vale a pena se a alma não é pequena”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *